Como passagem

Como poeira, como vazio, como o vento que afaga sobre mim. Por tantas vezes descubro que nada facilmente é comparado à mim. Permaneço viva, e que também permaneço morta. Tenho costumes, medos, incertezas e dúvidas. Muitas dúvidas. Tenho preferências por lugares, cores, pessoas e estações. Que já me senti só, e que por diversas vezes me sinto sozinha. Que também me sinto cercada de pessoas. Que as vezes me sinto sorrir e me sinto chorar. Tenho meus sonhos, e dentre eles me vejo futuramente bem, mesmo insegura. Pois é, o que sou eu? Sou uma vaga a preencher. Sou abismo, sou cores e escuridão. Ás vezes somente alma, somente coração. As vezes soprando cruéis solidão, afagando sentimentos sóbreis, e apagando memórias sujas, respostas incovenientes. E pra me sentir melhor... sorrisos, abraços, amigos, amor e uma boa risada. E que você me deixe contar dos sonhos e do fim de tarde que passei, desabafar o que faz chorar, e compartilhar o segundo de sorriso. Me abrace, sinta o que realmente sei demonstrar, como forma de carinho. Sinta leve, esse sorriso elusivo que trago em mim. Sinta-me perto. Me acompanhe até a próxima esquina. Me conforte com palavras. Exatamente isso que me faz sentir segura. Desde que não me sinta só e fria. Exatamente presença. Contanto que, venha com sorrisos, abraços, e um ombro amigo. Te retribuirei também. Entre pela porta da frente, seja bem vindo. Essa sou eu, e eu sou esse pedacinho de forma quente e fria, com intervalos, viva e constante.

3 comentários:

Daniele Nascimento♥ disse...

Oie
Gostei muito do seu Blog
Estou seguindo,
Segue o meu tbm...
Beijos

Dayane Pereira disse...

Lindo texto. Parabéns Ana, mandou muito bem!
Certeza que o que vc é, e o seu lugar é escrevendo!

Larissa Z. disse...

Oi, Ana. Teu blog é massa, guria. Ótimos textos.
Beijos.

Postar um comentário

Sua opinião é importante e valiosa. Obrigada por visitar!